Alunos da rede estadual participam do Politizar Goiânia

Alunos da rede estadual participam do Politizar Goiânia

Simulações da atuação parlamentar promovem a aproximação entre os jovens do Ensino Médio e a Câmara Municipal com objetivo de incentivar a responsabilidade dos participantes pelo presente e futuro da sociedade

“Hoje posso dizer que meu conhecimento está mais amplo em relação à política, com uma visão bem diferente e melhor do que eu tinha antes”, afirmou Davi Miranda Martins, de 16 anos, que é aluno do Colégio Estadual José Lobo, em Goiânia. O estudante do Ensino Médio é um dos 35 selecionados para participar do Politizar Goiânia, promovido na Câmara de Vereadores da Capital.

O projeto de extensão é de iniciativa da Universidade Federal de Goiás (UFG) em parceria com a Câmara. Na oportunidade, os estudantes podem atuar, de forma simulada, como vereadores da capital, o que proporciona a experiência de aproximação da prática política. Conforme a UFG, a expectativa é que, nesse momento de protagonismo, os alunos se tornem responsáveis pelo presente e futuro da sociedade em que estão inseridos.

Após a apresentação de uma redação dissertativa-argumentativa com o tema “A importância da participação da juventude na política local”, os selecionados passaram por treinamento na Casa de Leis nos dias 12 e 13 de novembro de 2019. Segundo Davi Martins, atualmente os jovens se sentem deixados de lado, por isso não se interessam pela política.

“O jovem sente que sua voz não é ouvida, que sua opinião não vale e se sente inferior. Mas quando a UFG visitou o Colégio, sentimos que queriam escutar a nossa opinião sobre esse meio da política”, explicou o aluno. Além disso, o incentivo de professores e diretores da Educação de Goiás foi fundamental para o ingresso do estudante no projeto. “Todos os professores se uniram para dar apoio aos alunos e isso ativou uma chama que, acredito que quem gosta mesmo, nunca vai deixar apagar”, completou.

Outro selecionado, também aluno da rede pública, é Nathan Gabriel Ferreira de Almeida Macedo, de 16 anos, oriundo do Colégio Estadual Amália Hermano. O jovem acredita que a formação promovida pelo Politizar auxiliará todos os estudantes, mesmo que não tenham interesse em seguir carreira política. “Mas para sermos cidadãos melhores e eleitores mais conscientes”, comentou Nathan.

Nathan Gabriel ainda reconhece a função essencial da Universidade para a execução do projeto envolvendo a juventude goiana. “A visita da UFG foi necessária e a escola deu todo apoio, e agradeço, assim como o Antônio [Tavares, coordenador do projeto], que manteve a comunicação com a gente”, destacou.

A cerimônia de abertura do treinamento dos aspirantes a vereador, realizada no dia 12 de novembro, contou com a presença o reitor da UFG, professor Edward Madureira, e da vice-reitora, professora Sandramara Matias; além de representantes das faculdades de Ciências Sociais, de Educação e de Letras, bem como os vereadores.

Durante o treinamento, os selecionados assistiram palestras, que servirão de apoio para a atuação de futuros vereadores, sobre temas como Poder Legislativo municipal; o papel do vereador; os trâmites do processo legislativo; e sistema partidário. Os estudantes ainda participaram de um workshop sobre a elaboração de um projeto de lei.

A próxima etapa do Politizar, prevista para os dias 4 a 7 de dezembro, será a construção de um texto-base para apresentação em tribuna. Na nova simulação, os jovens serão empossados, vão compor comissões temáticas, propor projetos de lei de interesse da sociedade goianiense, discutir as matérias em plenário, defender a aprovação em tribuna e participar de audiências públicas. Os futuros projetos aprovados podem inclusive ser adotados por algum vereador e colocados em prática.

O projeto voltado para Goiânia foi inspirado no convênio feito entre a UFG e a Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), o Politizar UFG Alego. As diferenças entre os dois estão no número de participantes, sendo que na versão para Alego existem 41 deputados estaduais, 41 assessores parlamentares e seis jornalistas políticos, que resulta em 88 simulando. Neste modelo, os selecionados deverão ter já ter concluído o ensino superior.

Fonte:jornal.educacao.go.gov.b