Coleta de sangue passa a ser feita a cada 15 dias por corte de gastos

doacao-sangueA Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Rondônia (Fhemeron) anunciou que a unidade de coleta e transfusão de sangue de Guajará-Mirim (RO), situada a cerca de 330 quilômetros de Porto Velho, teve o serviço de coleta reduzido devido a baixa quantidade de doadores. Segundo a direção do órgão, o número de coletas é insuficiente perante os gastos do governo com a unidade. A partir deste mês, as coletas serão feitas a cada 15 dias.

A nova forma de atendimento deve ser implantada a partir da próxima semana, após formalização da Fhemeron. De acordo com o hemocentro, atualmente cerca de 10 mil doadores de sangue são cadastrados nas três localidades. Em Guajará-Mirim, o número de doações é de 90 por mês, o que representa uma média de três por dia.

Nos últimos três anos, o número anual de doações sofreu uma queda considerável no município. Em 2013 foram 1.328 procedimentos realizados, já em 2014 a quantidade reduziu para 1.205 e em 2015 foram 1.136. Neste ano, até o início do mês de novembro, apenas 830 doações foram registradas.

Dos 42 servidores que trabalham no prédio, apenas 18 serão mantidos, os demais serão redistribuídos em outros setores do município. O presidente da Fhemeron, Orlando Ramirez, justificou que a redução no serviço aconteceu porque a quantidade mensal coletada não atinge a meta prevista, que é de no mínimo 110 bolsas de sangue.

“O número de coletas é insuficiente para os gastos que o estado tem para manter a unidade funcionando todos os dias, por isso essa medida foi tomada. Os atendimentos continuarão no prédio a cada 15 dias e serão feitos pelos servidores que ficarem. Os demais serão remanejados em outros departamentos de acordo com a necessidade”, explicou Orlando.

Para que os pontos atendidos não fiquem sem sangue, se for necessário, bolsas da Fhemeron de Porto Velho serão redirecionadas ao município. O prédio é responsável pelo abastecimento dos dois hospitais da cidade, além do hospital de Nova Mamoré (RO) e também do distrito de Extrema.

Ao G1, a técnica de enfermagem Cleonice Ferraz, que trabalha no local há 16 anos, disse que as coletas regulares estão suspensas desde a última terça-feira (1º).

Nos dias que não houver coleta, a unidade vai funcionar exclusivamente como local de armazenamento e distribuição das bolsas de sangue para atender os hospitais da região.

“O serviço foi totalmente paralisado desde terça. Fomos comunicados sobre essa mudança durante uma reunião, mas nada foi formalizado em documentos ainda, estamos aguardando”, contou a servidora.

A novidade não agradou o estudante universitário Jairo Fonseca Ortiz, de 25 anos, que já é doador de sangue há três anos. Ele foi pego de surpresa na manhã desta quinta-feira (3), quando foi até a unidade doar sangue e acabou sendo comunicado da suspensão das coletas regulares.

“Nem sabia disso, vim aqui e eles disseram que eu não posso doar hoje. Disseram que vão entrar em contato para avisar o dia que vai ter atendimento. Vim de boa vontade e mesmo assim ainda fui impedido de fazer a doação. É meio contraditório, pois existem muitas campanhas pedindo apoio da população no sentido de doar sangue e quando aparecemos, somos impedidos”, disse o jovem.

Os doadores que precisarem de informações sobre a nova forma de atendimento podem se deslocar até a unidade de coleta e transfusão de sangue, localizada na Avenida 15 de Novembro, no Bairro Centro, ou ligar no telefone fixo (69) 3541-6073.

Fonte: G1