Cecília Meireles: escola será a primeira a estar sob o comando do Corpo de Bombeiros em Vilhena

A decisão para militarizar a Escola Estadual de Ensino Fundamental Cecília Meireles está ganhando ampla discussão no município de Vilhena, Cone Sul de Rondônia, e ganhou mais um capítulo na noite desta quarta-feira (02 de julho) durante uma reunião realizada com membros e pais da instituição em parceira com o Corpo de Bombeiros.

(Foto: Folha de Vilhena)

Em entrevista ao Jornal Folha de Vilhena, o Coronel do Corpo de Bombeiros de Porto Velho, Gilvander Gregório de Lima explicou um pouco sobre como acontecerá o procedimento para a implantação da militarização.

“Não temos ideia de quem serão os responsáveis pela gestão, porque ainda precisamos fazer uma convocação de militares da reserva para compor a gestão, mais um oficial da ativa. Por enquanto estamos mexendo na parte de documentação, em fase de pesquisa de campo para saber as necessidades da escola, depois teremos uma audiência pública. Após isso, vamos mexer com a legislação, para enfim implantar sem problemas a gestão”, ele relatou.

A Escola Cecília Meireles, que passará a se chamar Dom Pedro II, tem uma média de 500 alunos entre 6° e 9° ano. Com uma nota 5,1 segundo o último censo do Ideb feito em 2017, a expectativa é elevar a qualidade de ensino do estabelecimento.

“Numa escola militar, qual é a diferença? Nós temos o civismo, o momento pátrio, o regimento interno, os processos sociais da corporação que são implantados dentro da escola, e a gestão é feita pelo Corpo de Bombeiros em conjunto com a Secretaria Estadual de Educação. Esse compartilhamento sempre existiu em todas as Escolas militarizadas do Estado de Rondônia”.

A proposta para a militarização e gestão por parte do Corpo de Bombeiros foi realizada pelo próprio Governador do Estado de Rondônia, Coronel Marcos Rocha. Durante a reunião de quarta-feira, a proposta foi apresentada aos grupos interessados: pais, professores, gestão política vilhenense, diretoria e membros do 3° Grupamento do Corpo de Bombeiros de Vilhena (que receberam a notícia com surpresa, satisfação e com o peso da responsabilidade que as atividades demandarão do Grupamento).

(Foto: Mizellen Amaral/Folha de Vilhena)

Na ocasião, os membros da Corporação apresentaram dados e suas experiências ao participarem da gestão do Colégio Tiradentes VII, no município de Porto Velho (que também tem gestão da Polícia Militar e da SEDUC). Em Vilhena, o Colégio Dom Pedro II será o primeiro cuja gestão será feita somente pelo CBPM em parceria com a Seduc.

“Todos os âmbitos aceitaram de forma unânime, seja pais, professores, diretoria, o grupo representado ficou muito contente com a nossa ideia, ela foi bem abraçada. Até porque essa é uma causa para benefício da sociedade, nada mais do que a sociedade e o aluno como parte dela que será nosso cliente e beneficiado”, o Coronel afirmou.

O Oficial explicou ainda a escolha do nome Dom Pedro II, que representará uma homenagem ao Patrono do Corpo de Bombeiros. Dom Pedro II foi responsável por fundar o CBPM da Corte em 02 de julho de 1856, na cidade do Rio de Janeiro. Dessa forma, nomear a primeira escola totalmente gerida pelo Corpo de Bombeiros em Vilhena será uma maneira de homenagear a personalidade.

“As pessoas pensam que vai haver uma ruptura, e não. Nós vamos ter os professores da SEDUC, teremos os monitores do CBPM, a segurança será nossa assim como a gestão, mas essa parceria com a SEDUC é fundamental. Porque as diretrizes partem de lá, e vamos apenas colocar em prática uma forma de administração que temos de acordo com o que já está lá”, finalizou o Coronel Gilvander Gregório.

 

Texto: Mizellen Amaral
Fonte: Folha de Vilhena
Fotos: Folha de Vilhena